Hoquista do CDPA vítima de infecção generalizada

Énio Abreu, guarda-redes da equipa de Seniores B de hóquei em patins do Clube Desportivo de Paço de Arcos (CDPA), cujo estado de saúde obrigou a que fosse internado de urgência no Hospital Central do Funchal no passado dia 15 de Dezembro em estado considerado crítico pela equipa médica que o assistiu, tendo-lhe sido diagnosticada uma forte pneumonia e, mais tarde, confirmado que contraira o vírus da gripe B, acabou por não resistir a uma infecção generalizada que o vitimou.

O jovem hoquista, com 20 anos, faleceu esta quarta-feira (15 de Janeiro), precisamente um mês depois de ter sido internado de urgência na Madeira, para onde tinha viajado com a equipa de Seniores B do CDPA para disputar com o CS Marítimo um jogo de hóquei em patins a contar para o Campeonato Nacional da III divisão. Na altura, Énio Abreu integrou a equipa apesar de acusar já uma forte constipação acompanhada por tosse. Durante a viagem para a Madeira, o estado de saúde do atleta agravou-se e ele já não pôde participar no jogo. 

Face à situação complicada de saúde enfrentada pelo jovem hoquista, os responsáveis do Clube Desportivo de Paço de Arcos decidiram levá-lo ao Centro de Saúde do Machico, de onde foi de imediato transferido para o Hospital Central do Funchal, onde acabou por lhe ser diagnosticada uma forte pneumonia e, mais tarde, confirmada a presença do vírus da gripe B. Devido ao seu estado muito debilitado, o guarda-redes foi induzido em coma para maior conforto e melhor acção da medicação. 

Desde então, o estado clínico de Énio Abreu, considerado muito grave e crítico pela equipa médica que o assistiu, acabou por complicar-se sendo que o jovem veio a sucumbir à infecção generalizada contraída. Durante o internamento, o hoquista foi acompanhado pelos pais que viajaram para a Madeira apoiados por uma onda de solidariedade lançada pelo clube do atleta, que contou com a participação de treinadores e desportistas do CDPA, a que se associaram também outros clubes e instituições.

CLUBE PUBLICA COMUNICADO NAS REDES SOCIAIS

A direcção do CDPA publicou um comunicado nas redes sociais a dar conta da morte do seu atleta e a anunciar a celebração de uma missa em sua memória, que decorreu no dia 16 de Janeiro na Igreja Paroquial de Paço de Arcos. “É com profundo pesar e consternação que informamos que o nosso amigo e colega Énio Abreu, após uma árdua luta pela sobrevivência e no dia em que fez precisamente um mês de internamento, não conseguiu sobreviver à provação em que se encontrava”, referiu o texto difundido na página do clube na Internet.

ONDA SOLIDÁRIA APOIOU FAMÍLIA DO ATLETA

No dia 28 de Dezembro decorreu um conjunto de iniciativas solidárias para com Énio Abreu. A onda de solidariedade prontamente acarinhada pelo CDPA foi lançada por treinadores e desportistas do clube, colegas do jovem atleta que cumpria a primeira temporada como sénior além de jogar também na equipa B do clube, que decidiram organizar um jogo solidário com o objectivo de angariar fundos para apoiar os familiares do guarda-redes, de forma a que estes pudessem viajar para a ilha da Madeira e acompanhar a hospitalização do jovem.

Rapidamente, esta onda de solidariedade alastrou a toda a comunidade do Hóquei em Patins e o jogo solidário inicialmente previsto acabou por transformar-se numa tarde solidária, durante a qual foram realizados jogos de todos os escalões da modalidade, desde a classe de bambis até às equipas de veteranos. Estes jogos de hóquei em patins contaram com a participação de atletas do CDPA e de outros clubes que quiseram associar-se à iniciativa solidária.

Dentro e fora de campo, os apoios foram vários, a começar pela Federação Portuguesa de Patinagem e pela Associação de Patinagem de Lisboa, representados pelo secretário-geral, Manuel Pinto, e pelo presidente da direcção, João Pires, respectivamente. Também a Câmara Municipal de Oeiras marcou presença através dos vereadores Pedro Patacho e Carlos Morgado, bem como a União de Freguesias de Oeiras, São Julião, Paço de Arcos e Caxias, pelo vogal Artur Campos.

Entre as iniciativas realizadas, algumas das quais divulgadas nas redes sociais, mereceu igualmente destaque o facto de todos os jogos terem sido apitados por árbitros da Associação de Patinagem de Lisboa, que se prontificaram a apoiar a onda solidária gerada em torno do caso de Énio Abreu. Além de muitos amigos e ex-atletas do CDPA, também a patinagem artística do clube aderiu ao evento com a actuação de várias das suas classes.

Clique aqui para ler o artigo completo na nossa edição em papel de Janeiro

Deixar um comentário