31 anos de proximidade que passaram num instante

O jornal ‘O Correio da Linha’ prepara-se para entrar no seu 32.º ano de vida este mês de Março. Entre 1989 e 2020, o tempo voou. Parece que foi ontem que chegámos pela primeira vez às mãos dos leitores, mas não foi. Estes anos passaram depressa, mas passaram bem, fomos capazes de aqui chegar, apesar das dificuldades encontradas pelo caminho, vencidas sempre com resiliência, sem nunca desistir do projecto em que todos acreditávamos, e acreditamos.

Olhando para trás, desde o nascimento do jornal, ocorrido em Março de 1989, podemos dizer que nos orgulhamos do caminho percorrido até aqui. Cruzámos estes 31 anos com independência, sem cedências, com imparcialidade, sem estarmos amarrados a quaisquer interesses que não fossem os de informar os nossos leitores com total isenção. Estamos, pois, de consciência tranquila, podemos orgulhar-nos do nosso passado. 

Podemos também afirmar que acreditamos no nosso presente e que apostamos num futuro capaz de manter viva a chama que levou à criação deste jornal mensal. Sempre acompanhado pelos nossos leitores e pelos nossos anunciantes, por quem mantém a confiança num projecto de jornalismo local, capaz de estar mais perto, mais atento e capaz de responder às expectativas das populações. Sempre com convicção e empenho, como deve ser.

UM MUNDO EM TRANSFORMAÇÃO ACELERADA 

Olhando para trás, para a época em que o jornal foi lançado, recordamos um Mundo em grande transformação, desafiante e exigente, a dar passos importantes no limiar de uma nova era. Em Março de 1989, Sir Timothy John Berners-Lee, um físico britânico, cientista de computação e professor do Massachusetts Institute of Technology inventou no CERN (Organização Europeia para a Pesquisa Nuclear) a World Wide Web, um sistema de documentos em hipermédia (hipertextos, imagens, sons e vídeos) interligados e executados na Internet.

Ainda em Março, no dia 24, o superpetroleiro norte-americano Exxon Valdez, quando navegava no Oceano Pacífico, encalhou num recife em Prince William Sound, no Alasca (EUA), derramando 40 mil toneladas de crude que acabaram por espalhar-se por cerca de 2.000 quilómetros de costa causando um dos maiores desastres ambientais de que há memória e alertando para a necessidade de defender o planeta das agressões que podem levar a desequilíbrios irremediáveis para as gerações futuras.

Para além do mês de nascimento de ‘O Correio da Linha’, o ano de 1989 foi rico em acontecimentos. Logo no dia 7 de Janeiro, morreu o imperador japonês Hirohito, com 87 anos. Com um dos mais longos reinados da História (subiu ao trono em 1926), a sua regência foi marcada pelo facto de ter sido obrigado a aceitar a capitulação após as explosões das bombas atómicas em Hiroshima e Nagasaki, em Agosto de 1945. Sucedeu-lhe o príncipe Akihito que, aos 55 anos, assumiu o lugar do pai.

No domínio da Informática, a 13 de Janeiro de 1989, numa sexta-feira, ocorreu o primeiro ataque mundial perpetrado com um vírus de computador, que ficou conhecido como ‘Sexta-Feira 13’. Cerca de um mês mais tarde, a 15 de Fevereiro, a então União Soviética deu por terminada a retirada das suas tropas do Afeganistão, com o último militar soviético a abandonar aquele país asiático após dez anos de intervenção militar, durante a qual perderam a vida cerca de 15 mil soldados soviéticos.

TRAGÉDIA MARCA PÁGINA NEGRA NO DESPORTO

A 15 de Abril, viveu-se um dos episódios mais tristes da História do Desporto, o Desastre de Hillsborough, quando durante um jogo da semifinal da Taça das Taças, disputado entre as equipas do Nottingham Forest e do Liverpool no Estádio Hillsborough, em Sheffield, Inglaterra, morreram 96 pessoas esmagadas pela multidão que se acumulou num dos topos do recinto desportivo. Ultrapassadas pelos acontecimentos, as forças policiais foram incapazes de impedir a tragédia. 

A 4 de Junho, uma coluna de tanques invadiu a Praça Tiananmen (Praça da Paz Celestial), em Pequim, dando início à operação militar que esmagou de forma brutal uma manifestação pacífica realizada por jovens estudantes chineses, em protesto por liberdade e democracia. Ficou perpetuada na memória colectiva, a imagem de um tanque a avançar em direcção a um dos manifestantes que se colocou à frente da coluna de veículos militares. Ainda hoje, não se sabe ao certo quantas pessoas morreram.

Enquanto na China a tentativa popular para exigir a mudança para um regime político democrático foi esmagada após semanas de protestos, no mesmo dia, 4 de Junho, os ventos de mudança fizeram-se sentir na Polónia, onde o movimento Solidariedade ganhou as eleições legislativas realizadas no país derrotando por larga margem os comunistas. Mais tarde, em Agosto, após intensas conversações, Tadeuzs Mazowiecki tornou-se no primeiro chefe de Governo não comunista da Europa de Leste.

Dois dias mais tarde, a 6 de Junho, uma multidão de iranianos saiu para as ruas de Teerão para assistir ao funeral do Ayatolá Khomeini, o Líder Supremo do Irão, que morreu três dias antes, com 86 anos de idade. Meses antes da sua morte, em Fevereiro, o Líder da Revolução Iraniana tinha oferecido uma recompensa de três milhões de dólares a quem assassinasse o escritor anglo-indiano Salman Rushdie, autor do livro ‘Os Versos Satânicos’, que Teerão acusou de ser ofensivo para o Islão.

VENTOS DE MUDANÇA SOPRAM FORTE A LESTE

A 9 de Novembro, depois de vários sintomas que já se faziam sentir no Bloco de Leste, o Muro de Berlim, erguido após a II Grande Guerra para separar dois mundos ideologicamente diferentes, caiu finalmente seguindo-se a queda de vários regimes comunistas incapazes de responder às expectativas de populações ávidas de regimes democráticos. Desaparecia assim o chamado ‘Muro da Vergonha’, que tantas famílias alemãs separou durante décadas, considerado um símbolo negro da Guerra Fria.

Os ventos de mudança continuaram a soprar forte a Leste, a favor dos desejos de quem acreditava em novas políticas capazes de fazer a diferença. A 17 de Novembro, depois de a polícia ter reprimido uma manifestação estudantil em Praga, a ‘Revolução de Veludo’ abanou toda a estrutura política da Checoslováquia, acabando por levar à resignação do Partido Comunista, com Václav Havel a tornar-se, dia 29 de Dezembro, no último presidente da Checoslováquia e, mais tarde, no primeiro presidente da República Checa. 

A 2 e 3 de Dezembro, teve lugar a histórica Cimeira de Malta, um encontro marcante entre os presidentes norte-americano George W. Bush e russo Mikhail Gorbachev, sendo anunciado o fim da Guerra Fria, que durante décadas opôs os governos de Washington e de Moscovo e que chegou a colocar o Mundo à beira de uma guerra nuclear de efeitos catastróficos à escala global. A Humanidade sonhou com estes ventos de mudança e com a pacificação do globo.  

A Leste, os acontecimentos mantiveram o ritmo e a escala da mudança. Dia 25 de Dezembro, Dia de Natal, o ditador romeno Nicolae Ceausescu e a mulher foram fuzilados em Timisoara, depois de um movimento de revoltosos ter posto fim ao seu reinado de terror no seguimento de uma série de motins que mudaram o curso da história na Roménia. As imagens desta execução foram divulgadas nas cadeias de televisão internacionais.

O ano ficou também marcado pela atribuição do Prémio Nobel da Paz a Dalai Lama, líder religioso e político do Tibete, pela tomada de posse de George W. Bush como o 41.º Presidente dos Estados Unidos da América, e pelo lançamento para o Espaço do primeiro satélite do sistema operacional GPS, que viria a revolucionar a forma como viajamos na Terra com a  definição de coordenadas precisas para localizarmos os locais de destino e o percurso para lá chegar, sem corrermos o risco de nos perdermos.

FILMES E DESPEDIDAS QUE MARCARAM O ANO 

Em termos cinematográficos, o ano de 1989 proporcionou-nos grandes clássicos da Sétima Arte, como: ‘Batman’, ‘Indiana Jones e a Última Cruzada’, ‘Regresso ao Futuro II’, ‘007: Licença Para Matar’, ‘O Clube dos Poetas Mortos’, ‘Querida, Eu Encolhi os Miúdos’, ‘Nascido a 4 de Julho’, ‘Conduzindo Miss Daisy’, ‘O Meu Pé Esquerdo’, ‘When Harry Met Sally: Um Amor Inevitável’, ‘Olha Quem Fala’, ‘Crimes e Escapadelas’ e, para os mais novos, a história de animação ‘A Pequena Sereia’. 

Ainda no domínio do entretenimento, a Nintendo lançou a sua popular consola Game Boy, que conquistou várias gerações de jogadores por todo o Mundo, e começaram a ser transmitidos na Televisão os primeiros episódios da série de animação ‘The Simpsons’, criada por Matt Groening, que ainda hoje mantém elevados índices de audiência no pequeno ecrã, com as peripécias de ‘Homer’, ‘Marge’ ‘Bart’, ‘Lisa’ e bebé ‘Maggie’ a serem seguidas por uma vasta legião de seguidores. 

No que toca a despedidas de famosos, além dos nomes já referidos anteriormente, 1989 foi também o ano de partida para o mestre do Impressionismo espanhol Salvador Dalí, para o cantor português Tony de Matos, para a actriz brasileira Dina Sfat, para o maestro austríaco Herbert von Karajan, para o escritor irlandês Samuel Beckett, para o compositor e cantor brasileiro Luiz Gonzaga, para a actriz norte-americana Bette Davis e para o escritor português Fernando Namora.

Autor: Redacção

Deixar um comentário